Sucesso de público, Print Summit 2019 apresenta novo papel da comunicação impressa no século 21

Com uma presença de público que se aproximou dos 200 participantes, evento reuniu gráficos, publicitários, fornecedores e outros profissionais da indústria para debater sobre a importância e novas aplicações da mídia impressa em um mundo digital

São Paulo – O auditório da ESPM Tech, em São Paulo, foi palco de um importante debate sobre a relevância e aplicações da comunicação impressa em um mundo digital, suas transformações e seus valores ligados a questões como sustentabilidade, credibilidade, entre outros. Esses foram os temas que estiveram em pauta durante o Print Summit 2019, evento que reuniu aproximadamente 200 profissionais de diferentes áreas da Indústria da Comunicação (gráficas, agências, entidades e fornecedores de equipamentos de impressão) no último dia 29 de outubro.

Na abertura do seminário, o Sr. Armando Ferrentini, diretor-presidente da Propmark, afirmou ser um apaixonado pela mídia impressa e rechaçou a ideia de que a tecnologia digital veio para acabar com a impressão. Ferrentini destacou que na história da comunicação muitos novos meios surgiram como “ameaças” a seus antecessores, mas que, contudo, acabaram coexistindo e até mesmo se integrando. Além disso, segundo ele, cabe à Comunicação e à Publicidade extrair o melhor desses dois universos (online e offline), ambos com grande potencial a ser explorado.

Na sequência, Sergio Junqueira Arantes, CEO da Eventos Expo Editora, ministrou a palestra Morte do Impresso é Fake News. O palestrante utilizou como mote a proliferação de conteúdo falso comum nas redes sociais e sites, e destacou a confiança que a mídia impressa detém tanto junto a leitores, como também anunciantes e marcas. Segundo ele, apesar do forte impacto inicial das mídias digitais, atualmente as marcas já voltam a olhar para a comunicação impressa como uma via eficaz de atingir seus públicos. Para ilustrar, atentou ao fato de que mesmo empresas tipicamente digitais, como a Netflix, investe hoje em mídia impressa.

Ao enfatizar o novo universo em que marcas ligadas à comunicação estão inseridas, Luciana Schwartz, diretora de mídia Omnichannel da Agência VML, apresentou dados interessantes sobre a visibilidade das mídias online e offline no Brasil. Por meio do tema Tempo do ‘RE’- Tempo de recriar, reinventar, reformular, reproduzir, recompor, Luciana mostrou, como comparativo, dados do mercado francês e do Grupo Le Figaro, reforçando o fato de que o mercado de comunicação e mídias deve se adaptar aos novos tempos, e que, apesar de veículos de comunicação estarem lançando conteúdo online, trata-se de um ciclo em que ambas as plataformas (digital e impressa) se complementam. Isto é, cabe às empresas de mídia lançarem mão de todos os canais disponíveis de forma integrada para atingir seus públicos – sobretudo, os da nova geração. O inverso também é real: plataformas de serviços online estão usando a mídia impressa para campanhas.

Em seguida, Pedro Barbastefano, sócio e diretor comercial da 29 Horas Mídia Aeroportuária, falou sobre o tema A oportunidade do impresso no ambiente OOH – Out Of Home. Também oriundo do universo da mídia impressa, Pedro destacou que a comunicação “Out of Home” é um processo irreversível, mas que, todavia, tem na integração com a comunicação impressa uma plataforma riquíssima de atingir um público-alvo variado. O palestrante citou o exemplo da Revista 29 Horas, cuja versão impressa é distribuída nos aeroportos de Congonhas (São Paulo) e Santos Dumont (Rio de Janeiro), ele destacou que o conteúdo impresso da publicação é complementado, com criatividade, por conteúdos exclusivos do mundo digital. Ou seja, a revista, com dez anos de mercado, tornou-se uma publicação multiplataforma.

Luiz Felix, da Agência Africa, encerrou a programação do evento com a apresentação de dois cases em que os mundos online e offline foram usados com inteligência e integração para criação de campanhas premiadas: a Campanha Tagwords para a cerveja Budweiser, e uma campanha de combate ao fake news para a Penguin Books.

O Print Summit 2019 terminou com um ciclo de debates do qual fizeram parte todos os palestrantes, respondendo a perguntas feitas pelo mediador Tiago Ferrentini (diretor operacional da Propmark) e pelo público. Entre os temas levantados estiveram o compromisso da comunicação impressa com o meio ambiente (uma vez que o papel usado é fruto de árvores cultivadas para essa finalidade e não tem ligação com o desmatamento), credibilidade da mídia impressa e a importância de que tanto as marcas, quanto os profissionais de criação, percebam o potencial que a integração das aplicações offline e online pode oferecer ao mercado e ao público-alvo.

Selo Papel Legal

O evento também foi palco do lançamento oficial do Selo Papel Legal. Criado pela Abro (Associação Brasileira de Empresas com Rotativa Offset) e pela Abigraf Nacional (Associação Brasileira da Indústria Gráfica), o selo tem como objetivo certificar o uso do papel gráfico como forma de transmitir maior segurança ao mercado sobre a legalidade de sua destinação, seja ele imune ou não.

A iniciativa envolve, ainda, a participação de um comitê de desenvolvimento, do qual fazem parte representantes de gráficas de vários portes, e membros de entidades ligadas ao setor papeleiro, como Andipa (Associação Nacional de Distribuidores de Papel) e Ibá (Indústria Brasileira de Árvores).

“Por questões de tributação, o papel imune, usado na impressão editorial, tem um valor consideravelmente menor do que o usado em outros processos gráficos. Contudo, nem sempre enxergamos uma postura ética no mercado, de modo que o papel imune passa a ser usado também para a impressão de itens que fogem ao seu escopo”, salientou Carlos Jacomine, presidente da Abro e diretor da Gráfica Plural. “Dessa forma, o Selo Papel Legal tem como objetivo estimular boas práticas por parte das gráficas, e informar ao mercado que o papel usado para o impresso que está em suas mãos seguiu todas as regras éticas e tributárias, o que transmite mais segurança e confiabilidade. Agora, vamos trabalhar para que a ideia se expanda, inclusive buscando apoio no Governo Federal.”

Para receber a certificação, a gráfica deve passar por auditorias periódicas, que avaliarão as ações em concordância com diretrizes e conformidades estipuladas. Também devem seguir procedimentos adequados que podem variar de acordo com o porte da empresa.


O certificado foi entregue a quatro gráficas durante o evento: Plural, Posigraf, Edigráfica e Log Print.

O PrintSummit 2019 foi uma realização da AbroSindigraf – SP (Sindicato das Indústrias Gráficas no Estado de São Paulo) e Two Sides, com oferecimento da Afeigraf (Associação de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfica). Teve patrocínio das seguintes empresas: B.O.Paper, Compulaser Gráfica, Escala Brasil/WPS, Fespa/Digital Printing, Future Print, Futura Im., Gráfica Revelação e Plural Indústria Gráfica; e apoio da ABA, ABAP, Aberje, ABTG, Aner, ANJ, Antilhas Embalagens, APP, ESPM, Fenapro, Portal do Papel, Printbag e Propmark.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE